O problema da verdade

“Não importa aonde  ainda há lugar para um papo cabeça”.


Nós seres humanos, como todos os seres que fazemos parte do universo, pertencemos a natureza, portanto o “homem natural”, é parte de um todo, pertencemos a natureza humana, mas sabemos que existem vários seres que pertencem a outra natureza, existem seres  infra-humanos que não podemos ver sem ajuda de um potente microscópio, e sabemos ainda que existem seres que não podemos ver nem com tal instrumento. É claro que existem possibilidades de se apreender esses seres por sonho, intuição, mas o que importa é que não estamos sozinhos e não agimos sozinhos, nesse “mundão de Deus”. Portanto somos regidos (quer aceitemos ou não), por forças que escapam ao nosso controle.


Olhando a natureza percebo que ela age e reage de várias maneiras a cada agressão que o homem lhe impõe, essa manifestação afeta nossa vida, o homem desnorteado, inseguro, busca uma forma de controlar e dominar a natureza, através dos astros, da ciência, etc.


O que tem a Verdade (Sinceridade) com a natureza? Tem muito a ver no sentido de que à  palavra dita (verdade) emite na natureza (cosmos), ondas, vibrações de amor, ódio, tolerância e intolerância que provoca um desequilíbrio em todo o sistema e esse desequilíbrio nos afeta, através da manifestação de fenômenos, tais como: tsumanis, epidemias, guerras, enfim afeta psiquê humana.


Vimos que o universo é um todo ordenado, regido por “leis” próprias, que proporcionam equilíbrio e harmonia, então pode-se dizer também que somos regido por “leis divinas” e “leis humanas”, que quando transgredidas penalizam-nos. Então devemos agir de acordo com as leis para não atrairmos o “mal”.


Para vivermos em sociedade com um mínimo de harmonia, é preciso que se estabeleça um contrato, pois segundo Hobbes “O homem é o lobo do homem”, para Rossueau “O homem nasce bom a sociedade é que o corrompe”. E é esse contrato social que impede que nos matemos uns aos outros, a partir daí a minha relação com outro passa a ter limites, e quando eu ultrapasso esse limite tenho problemas, é sou atacado ou execrado. A própria vida nos impõe limites que é a morte, o dia é a noite, vivemos no limite nem sabemos se temos “livre-arbítrio”.


No que concerne propriamente a nossa questão, que a de dizer a verdade ou “não”, é preciso avaliar se há necessidade de dizer ou as vezes é melhor agir com tato, pois nunca sabemos o que o outro tem na cabeça e muito menos no coração, o outro tanto pode compreender, ficar triste mais deixar para lá ou pode resolver efetuar um julgamento moral e condenar o autêntico à “aquisição”. Há que se levar em conta que cada um tem a sua verdade, e talvez ele não aceite um “não” civilizadamente, muita gente sofre dessa patologia, principalmente se esse “não” mexer com o “ego” (eu não gosto de você), acaba-se destruindo tanto o ego do outro que esse nem vai pensar no que motivou o “não” do outro e sim que o “outro”, aniquilou com o ego dele.


Nesta “inquisição” moderna já não há fogueiras, hoje os indivíduos são fritados pouco a pouco, num jogo de força e poder altamente destrutivo, por isso devemos agir com prudência e pesar se vale mesmo a pena para uns  dizer a “verdade”.


Agora respondendo a questão: Como poderemos ser sinceros se todo mundo se ofende com a verdade? Nos reportemos a Sartre, ele disse: “Tenhamos nossos porões”, isso quer dizer que na “intimidade” podemos ser nós mesmos, e agirmos da maneira mais verdadeira possível,  mais sempre no respeito é claro.


Pode-se inferir que num “mundo de aparências”, onde cada um está mais preocupado em exercer o seu papel, e sobreviver pouco se importando se é verdadeiro ou não. O autêntico foge dos padrões, choca, escandaliza e muitas pessoas não querem simplesmente saber da verdade, só das ilusões, e quando ele vê a face da verdade para ele está vendo a face do mal que vai infelicitar sua tão frágil condição humana.

Miriam Cristina

Filósofa

miriamzarst@yahoo.com.br

Compartilhe este artigo

Comentários (3)

  • Mônica Mendonça Magalhães, Vitória da Conquista Denunciar

    O problema eh que muitos confundem sinceridade com grosseria. Acham q fazem bem desrespeitando, humilhando, ofendendo rebaixando , tudo porque são assim mesmo ,sinceros..
    Do alto de sua arrogância proclamam sinceridade , não gostam de mentiras...

  • Fabiana da Silva Ribeiro, Registro Denunciar

    é preciso muita atenção para manter-se lúcido em nossa sociedade das aparências.

  • Fabiola Ct, campinas Denunciar

    o texto é bem interessante. infelizmente as pessoas não gostam do q sai do padrão. e o padrão atual exige uma máscara que muitos não se incomodam em usar. poucos são os que tem coragem de se manter autênticos.

Faça um comentário

Caso tenha um Perfil ativo no site, entre no Perfil antes para facilitar o preenchimento deste formulário