Acorda menina, vem cá menino!

“...daqui para frente, tudo vai ser diferente, você vai aprender a ser gente, o seu orgulho não vale nada, nada” – Roberto Carlos

Nunca esta frase, proferida todas as manhãs no programa da apresentadora Ana Maria Braga, fez tanto sentido como agora. E não estou falando só de mim, mas de praticamente todas as pessoas ao meu redor que tem um pouco de consciência já despertada. Digo um pouco, porque o tamanho da nossa consciência – em possibilidade – é infinito, e qualquer coisa que esteja despertado aqui neste plano ainda é pouco. E eu estou falando deste plano de consciência.

Desde que se iniciou 2010, até alguns meses antes, a carta da Torre entrou na vida das pessoas com “os dois pés no peito”. O que estava inacabado se acabou. O que estava errado se concertou. De repente não era mais possível levar nada com a barriga. Todos os processos, dos mais simples ao mais complicados, foram empurrados pelo Universo ladeira abaixo, como se todo o mundo espiritual estivesse assistindo de camarote as mudanças.

É o começo do tal despertar para a quarta dimensão. Sei que parece coisa de filme de ficção científica (e já foi provado que muitas das idéias de inventos atuais foram mesmo tirados destes filmes), mas o planeta está passando por um despertar tão forte, e tão intenso que não está poupando nem a minha avozinha de 86 anos, nem a moça que trabalha aqui em casa, o porteiro, criancinhas de orfanatos, nada! É tempo de despertar na prática, aquilo que fomos avisados de despertar na teoria.

O Universo é cíclico. Temos tempos de guerra e de paz. Temos o despertar e um platô. Aquilo que não foi resolvido até então estão batendo à nossa parto, como que sendo cobrado do Universo. O seu emprego é uma porcaria e não vai te levar à lugar nenhum, mas você está acomodado demais? Uma cartinha de demissão resolve o caso. Aquele seu relacionamento que você finge que é feliz por medo da solidão ainda está de pé? Nada que uma loiraça nova no escritório dele (ou um offboy sarado no seu) não resolvam. O Universo está trabalhando para que nós possamos sair da acomodação, para que as coisas mudem. Aquela divida esquecida, aquele problema mal resolvido, aquele chove não molha, acabou! Não temos mais tempo de enrolação e não estamos mais num planeta onde isso é ainda possível.
E o contra-ataque é complicado. Não aceitar as mudanças necessárias, ou ver este  despertar como uma cobrança somente, pode nos causar sérios problemas emocionais e psíquicos. Uma sensação de impotência, de descaso consigo mesmo. Pode gerar doenças, pode nos deixar realmente depressivos ou nos dar uma belíssima crise de pânico. E tudo isso, tudo isso é só um despertar.

Então, estas palavras são justamente para que, neste momento, você olhe para a sua vida e veja o que precisa de conserto, o que precisa de descarte, o que precisa de faxina. A ordem dará lugar ao caos na vida de cada um, você querendo ou não! Então por que já não adiantar o processo e chutar os baldes e as barracas da vida em prol da sua verdadeira felicidade? E se você ainda não sabe o que te faz feliz, de verdade, saiba que a felicidade é um estado interno, que é reforçado pela ordem nas coisas.
Um bom relacionamento, um trabalho realizador, paz de espírito, são coisas que todos nós queremos, sempre. Mas é preciso saber onde está isso tudo dentro da gente. Eleja algo que te pareça mais urgente e invista. Não espere o Universo mandar a fatura porque os juros são altos, os encargos pesados...mas mesmo assim é só um momento de decisões e de mudanças.

Deixe A Torre fora desta. Aja por você mesmo!

Andrea Pavlovitsch
Psicoterapeuta
(11) 4106 3795 / (11) 8132 7126
andreapavlovitsch@uol.com.br
www.stum.com.br/andreateixeira

Compartilhe este artigo

Faça um comentário

Caso tenha um Perfil ativo no site, entre no Perfil antes para facilitar o preenchimento deste formulário